quinta-feira, 31 de outubro de 2013

PRESENÇA FEMININA NA MINUSTAH


sábado, 12 de outubro de 2013

CENTRO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

Investimentos em centro de gerenciamento de riscos busca acelerar respostas em ocorrências de desastres naturais

Criado com o objetivo de qualificar e dar transparência à gestão de riscos e desastres no Brasil, o Sistema Integrado de Informações sobre Desastre (S2ID) já está sendo utilizado por 2.266 municípios brasileiros. A informação foi apresentada nesta quinta-feira (10), ao ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, durante vistoria às instalações do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), órgão vinculado à Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec).
Na ocasião, Francisco Teixeira conversou com os gestores e as equipes multidisciplinares do Centro que, no dia a dia, monitoram informações sobre o tema. Desde que assumiu o comando da pasta, em 1º de outubro, o ministro vem se reunindo sistematicamente com as áreas técnicas das cinco secretarias que integram a Integração Nacional.
"O que a gente observa aqui são os avanços que a Secretaria Nacional de Defesa Civil conquistou nos últimos três anos, desde o início do processo de reestruturação do Cenad e a partir do aporte de investimentos no setor. A aplicação de ferramentas mais avançadas para o planejamento e monitoramento das ações de defesa civil tem permitido respostas mais rápidas quando da ocorrência de desastres naturais", pontuou Francisco Teixeira.
A estrutura do Cenad dispõe de equipamentos de ponta, como painel de videowall em LCD, televisores para videoconferência - interligando até 180 pontos diferentes - e monitores com múltiplas funções, dentre outras tecnologias. Os investimentos no órgão, bem como a realização de um concurso público para fortalecer a equipe, realizado em 2012, são parte do esforço do Ministério da Integração Nacional para tornar o Centro uma referência em preparação e resposta a desastres no Brasil.
Atuação
O Centro possui duas frentes de trabalho: ‘Articulação, estratégia, estruturação e melhoria contínua' e ‘Ação permanente de monitoramento, alerta, informação, mobilização e resposta'. A primeira é responsável pela preparação e resposta a desastres, sendo sua principal atividade a mobilização de profissionais para atendimento às vítimas. Já a segunda frente de trabalho corresponde ao monitoramento constante de informações sobre riscos, com o objetivo de reduzir impactos e preparar a população. 
Fonte:


FORÇAS ARMADAS BRASILEIRAS APOIAM O OUTUBRO ROSA


PROJETOS DE DEFESA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA

Centro desenvolve capacidade de atuação em rede e para a redução das vulnerabilidades contra ataques
Representantes da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR) visitaram, nesta quinta-feira (10), o Centro de Defesa Cibernética do Exército (CD Ciber), situado no Setor Militar Urbano, para conhecer os projetos estratégicos do Exército voltados para a defesa e a segurança cibernética.
O CD Ciber desenvolve iniciativas pioneiras no setor, como promover ações para o desenvolvimento da capacidade de atuação em rede e para a redução das vulnerabilidades contra ataques cibernéticos.
Na ocasião, o general chefe do Centro de Defesa Cibernética do Exército, José Carlos dos Santos, entregou à secretária-executiva da SAE/PR, Suzana Dieckmann Jeolas, e ao assessor de Defesa da Secretaria, general Marco Edson Gonçalves Dias, medalhas em homenagem à visita.
A SAE vem realizando discussões sobre o tema, a exemplo do XIII Encontro Nacional de Estudos Estratégicos (ENEE), com o objetivo de criar uma agenda voltada para o setor cibernético brasileiro que seja de interesse do Estado e contribua para a formulação de políticas públicas mais eficazes para esse setor.
Fonte: